• Be Brasil
  • Indústrias criativas

jan 25, 2017
Indústrias criativas

Upcycling vira fashion com designers brasileiros

Upcycling se tornou a palavra de ordem no movimento ambientalista. Pessoas do mundo inteiro estão criando formas de transformar lixo em algo útil. No caso de designers brasileiros, o lixo vira objetos descolados. A nova geração de fashionistas brasileiros transformaram a prática ambientalista em uma nova linha de moda.

Gabriela Mazepa, fundadora da Re-Roupa, faz parte do movimento. A jovem estilista coleciona tecidos que fábricas jogariam fora – e cria peças de roupas. A Re-Roupa tem uma loja no Rio de Janeiro e recebe workshops e debates sobre upcycling – além de empregar membros de comunidades carentes.

Já a Roupa Livre é uma empresa que vem tendo sucesso ao organizar eventos de troca de roupas. A fundadora, Mari Pelli, se inspirou na prática de trocar peças entre membros da própria família.

“O que não parecia interessante há alguns anos se tornou uma forma de substituir a necessidade de comprar roupas novas”, afirmou Pelli no mês passado. “Eu não comprei nada de novo em três anos – só renovei meu guarda roupa por meio de trocas, transformações e roupas de segunda mão.”

Outra marca carioca baseada no upcycling é a MIG Jeans. Criada por três amigos durante um curso técnico de moda em 2013, a MIG Jeans participou de feiras internacionais, como a Eco Paraty Festival e a SHELL Iniciativa Jovem.

De acordo com os jovens designers, jeans causam um grande impacto ambiental quando descartados. Eles então reutilizam e recriam as peças para qualquer gênero, idade e estilo – o ideal para upcycling. O público-alvo são estudantes jovens, presentes em eventos como Babilônia Feira Hype, Carioquíssima e Mixtape no Parque. Os clientes chegam com uma peça e saem com outra completamente diferente.

Recentemente, o upcycling se tornou uma disciplina no Instituto Europeu de Design (IED). “Com essa técnica, você usa materiais que seriam descartados e os transforma em matéria-prima novamente”, diz Fabio Palma, diretor do IED. “Esse tipo de economia é mais sustentável e respeita o meio-ambiente”.

Para quem estiver interessado em checar as iniciativas brasileiras em upcycling, há o guia online Slow Down Fashion. Além de roupas, ele traz calçados, acessórios e decoração – que podem ser comprados em lojas virtuais.