• Be Brasil
  • Indústrias criativas

abr 04, 2017
Indústrias criativas

SA importância da sustentabilidade para o design brasileiro

O Brasil é dono de uma das maiores biodiversidades do mundo, e abriga a maior floresta do planeta, a Amazônia. Além disso, brasileiros estão conectados às necessidades de se adequar a práticas sustentáveis. Mais de 90% dos brasileiros consideram que questões ambientais são extremamente importantes – 30 pontos percentuais a mais que o resto do mundo. Essa consciência dita uma nova era para empresas brasileiras, que se preocupam com práticas éticas e sustentáveis.

Esse terreno fértil será mostrado no ISaloni, em Milão. Durante cinco dias em abril de 2017, o ISaloni traz a maior mostra de design do setor mobiliário. A conferência também abarca inovações em tecnologia, telecomunicações, arte, moda e gastronomia. 60 empresas brasileiras, escolhidas a dedo pela Apex-Brasil, mostrarão seus trabalhos.

Assim, todas as representantes brasileiras vão expor designs únicos e sustentáveis que usam materiais reunidos de forma não predatória. Isso significa que eles não eram mais usados pelo ecossistema.

Bruno Jahara, um jovem designer do Rio de Janeiro, é um dos participantes brasileiros do ISaloni. Viajado, Jahara morou durante anos na Europa, e incorpora tendências internacionais em seus produtos, misturando-as a elementos tradicionais brasileiros. Jahara usa materiais reciclados como base para sua criação, e está sempre à procura de novos materiais biodegradáveis.

Sua primeira coleção, chamada “Batucada”, é uma homenagem a instrumentos de percussão e o exemplo perfeito de designs sustentáveis – com um toque brasileiro, mas ao mesmo tempo internacional.

O artista processou alumínio de uma forma que elimina quaisquer substâncias tóxicas e ainda cria um esquema cromático brilhante. Outra coleção de Jahara marcado pelo design sustentável é a Multiplásticas Domésticas, com peças feitas a partir de produtos de limpeza e recipientes plásticos.

O Brasil é um dos países que mais recicla alumínio. Todos os materiais de Jahara são recuperados por uma cooperativa nacional de reciclagem, em São Paulo.