• Be Brasil
  • Alimentos e bebidas

jan 25, 2018
Alimentos e bebidas

Gastronomia brasileira ganha reconhecimento mundial

De longe, a gastronomia brasileira pode ser associada apenas ao churrasco e à caipirinha. Mas uma nova geração de chefs, interessada em ingredientes locais e tradicionais, está criando um novo estilo de alta cozinha. Misturando sabores e texturas únicos, essa nova onda gastronômica está revigorando a já vibrante cozinha brasileira.

Há décadas, Alex Atala, um dos mais famosos chefs brasileiros, tem criado tendências – mostrando interesse em ingredientes vindos da Amazônia. A aposta tem dado certo, uma vez que o restaurante de Atala, o D.O.M., figura na 16a posição da lista dos 50 melhores restaurantes do mundo – se tornando o único restaurante brasileiro a receber duas estrelas Michelin.

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) se juntou aos veículos de imprensa estrangeiros BBC, Vice e CNN para levar a cultura brasileira para o resto do mundo. Na série, Atala fala sobre a evolução da culinária brasileira ao longo dos anos.

“Há pouco tempo, chefs brasileiros buscavam inspiração na Europa, especialmente na França e Itália. Há uns 15, 20 anos, isso começou a mudar, quando chefs franceses começaram a adaptar a cozinha deles usando ingredientes locais”, Atala explicou. Desde então, chefs locais têm adotado técnicas europeias para criar pratos com ingredientes brasileiros.

O interesse de Atala por ingredientes únicos abriu caminho para uma tendência que só faz ganhar força, e tem mudado a reputação da culinária brasileira. Pratos à base de mandioca têm ganhado popularidade em países do hemisfério norte – consumidores têm sido atraídos pelo fato de o alimento ser livre de glúten e gorduras. Outros ingredientes, porém, têm ganhado espaço. Enquanto isso, vários chefs têm procurado desenvolver um sistema de produção sustentável.

Um deles é Thiago Castanho, de 26 anos. O principal prato do chef de Belém é à base de um peixe local, o “filhote”, que pode chegar a pesar até 300 quilos. Outro prato popular no restaurante de Castanho, o Remanso do Bosque, é uma ostra que só exista nas águas limpas do encontro entre o rio Amazonas e o Oceano Atlântico.

“Para cria-las, os pescadores locais devem cuidar do rio, já que elas só sobrevivem em águas limpas”, afirma Castanho. “É uma atividade muito sustentável – além de ser muito bom”.

A lista de ingredientes da Amazônia que têm se tornado populares inclui o jambú, um vegetal que deixa a língua levemente dormente, além de variedades de milho, sementes, castanhas, temperos e farinhas. Mas a Amazônia não é o único local de inspiração para os chefs de cozinha. À série da Apex-Brasil, o sociólogo Carlos Alberto Dória falou sobre o potencial de outras regiões brasileiras.

“O Brasil tem uma variedade gastrônomica enorme”, afirma Dória. “E o que diferencia cada variante são os ingredientes, cultura e técnicas – não necessariamente a posição geográfica – uma classificação usada por uma questão de promoção”.

O vídeo veiculado pela BBC, primeiro de uma série de quatro episódios, detalha a nova onda da culinária brasileira. Clique aqui para assistir ao vídeo (e aos demais episódios), ou veja o que a Vice escreveu sobre os novos ingredientes brasileiros aqui.