• Be Brasil
  • Indústrias criativas

dez 20, 2017
Indústrias criativas

Brasileiras chamam atenção com móveis apenas para pets

O Brasil tem mais de 50 milhões de cachorros e 22 milhões de gatos. Não à toa, o mercado de produtos para pets só faz crescer. As vendas do setor em 2017 devem fechar em 19 bilhões de reais – 7% a mais que em 2016. Nesse cenário, diversas startups começam a surgir com produtos apenas para bichinhos domésticos. Uma delas é a Beijo de Focinho, que traz uma abordagem única para o setor – a criação de móveis de design para pets.

Não é novidade que muitos pets são tratados como membros da família – e a Beijo de Focinho sabe disso. A empresa, fundada no início de 2017 pela designer Silvia Grilli e a publicitária Sandra Martins, cria móveis de luxo para esses “filhos de quatro patas”, como elas chamam os animais. O design desses móveis é totalmente integrado à decoração da casa.

Existem empresas de produtos para pets (ou empresas de mobiliário) que podem fazer um ou outro móvel para cachorros ou gatos, mas a Beijo de Focinho é a única que se dedica exclusivamente ao mercado pet. “Nós desenhamos peças que não vão quebrar o estilo da casa. Para muitas famílias, os pets são os filhos da casa, e nós queremos que nossos clientes possam dar-lhes um ambiente aconchegante – e estiloso”, afirma Grilli.

Por ora, a dupla produz uma média de 15 projetos por mês, com planos ousados para 2018. Apesar de ainda pequena, a empresa tem atraído compradores estrangeiros, principalmente dos Estados Unidos, França e Japão. Os maiores desafios são os custos com transporte de mercadorias, mas essa barreira deve ser facilmente contornada assim que o negócio deslanchar internacionalmente. A Beijo de Focinho tem capacidade para produzir peças sob demanda ou em escala industrial.

Desde o começo, a empresa trabalha em parceria com arquitetos. “É a melhor forma de criar a melhor atmosfera possível para o ‘filho de quatro patas’, mantendo a elegância de qualquer espaço. Nós produzimos peças de decoração, para clientes que valorizam qualidade e design”, comenta Grilli. Até agora, a startup tem usado as redes sociais para expandir a marca e fisgar novos clientes. Mas as fundadoras querem lançar a própria loja online em breve.

Uma das caminhas desenvolvidas pela Beijo de Focinho foi montada em um fablab, espaços para fomentar a inovação, onde é possível construir novos produtos de forma colaborativa. Fab labs estão presentes em diversos estados, e têm como princípio a colaboração. Para ter o selo fab lab, o espaço deve estar aberto ao público de graça pelo menos uma vez por semana e compartilhar ferramentas e processos com todos.

O sucesso da Beijo de Focinho já teve um efeito colateral: o design da empresa foi copiado por concorrentes estrangeiros. Mas as empresárias consideram isso uma prova de que estão no caminho certo. E, para manter-se à frente da concorrência, Grilli – a designer chefe da empresa – quer desenvolver novas linhas para diferentes estilos.

Potencial é o que não falta à Beijo de Focinho.