• Be Brasil
  • Alimentos e bebidas

abr 16, 2018
Alimentos e bebidas

Brasil espera um “boom” da produção de café arábica em 2018

Dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) mostram que o Brasil deve aumentar consideravelmente sua produção de café em 2018, com potencial para quebrar todos os recordes.

A produção de café arábica, que corresponde a aproximadamente três quartos do total, deve crescer em 30% este ano, chegando a um total de 44,6 milhões de sacas. O café robusta também terá um aumento significativo na produção, com expectativa de chegar a 14 milhões de sacas até o fim do ano. Uma vez que cada saca pesa 60 quilos, o Brasil deve produzir, apenas em 2018, mais de 3,5 milhões de toneladas.

Produtores já esperam uma safra maior em 2018, mas não nessa magnitude. O aumento de 30% previsto pela Conab deve levar o Brasil, que já o maior produtor de café do mundo, a quebrar o recorde de 2016, um total de 51,37 milhões de sacas.

A Conab publica quatro pesquisas sobre a safra de café durante o ano. O primeiro relatório de 2018 foi publicado após o primeiro estágio do processo – quando as árvores estão florescendo. Em maio, a estatal deve atualizar os dados em maio, antes da colheita, em setembro, durante a colheita, e em dezembro, quando o processo chega ao fim.

Nos últimos anos, a Conab tem sido conservadora em suas projeções, o que torna a previsão para 2018 ainda mais promissora. A multinacional holandesa Rabobank tem sido mais otimista, projetando que o Brasil deve atingir a marca de 59 milhões de sacas em 2018, por exemplo.
De acordo com Aroldo Neto, superintendente de dados agrícolas da Conab, o clima favorável é responsável pelo “boom”. “Os pés de café, tanto arábica quando robusta, estão em excelentes condições”, ele afirmou à imprensa em janeiro.

O estado de Minas Gerais, principal produtor brasileiro, tem ajudado a elevar a produção em função de um 2017 muito favorável. A estação chuvosa (que acontece no segundo semestre) levou a uma colheita impressionante, após anos de chuvas irregulares. Os mineiros são responsáveis por 68% da produção brasileira de café arábica.

Outros estados do sudeste devem experimentar crescimento similar. A colheita em São Paulo deve aumentar em 39,5%, chegando a 6,15 milhões de sacas. No Espírito Santo, o segundo maior produtor do país, deve observar um aumento de 50,4%. O estado passou por um período de seca em agosto do ano passado, o que, segundo a Conab, “gerou um estresse hídrico que, com o retorno das chuvas em setembro, estimulou um crescimento uniforme na maior parte das regiões.